Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Acessos:
InŪcio do conteķdo da pŠgina
Últimas notícias

34¬ļ Congresso Brasileiro de Espeleologia

  • Publicado: Ter√ßa, 14 de Junho de 2016, 23h12
  • √öltima atualiza√ß√£o em Quarta, 15 de Junho de 2016, 15h13

Airton José Silva

Sociedade Excursionista e Espeleol√≥gica de Ouro Preto confirma realiza√ß√£o do 34¬ļ Congresso Brasileiro de Espeleologia em 2017

A Sociedade Excursionista e Espeleol√≥gica (SEE), em parceria com a Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE), est√° preparando o 34¬ļ Congresso Brasileiro de Espeleologia, que ser√° realizado nos dias 13 a 18 de junho de 2017, em Ouro Preto.

O retorno do Congresso a Ouro Preto, além de manter a tradição de a cada dez anos ser realizado na cidade, berço nacional da espeleologia, comemora os 80 anos da SEE.

O tema do evento, ‚ÄúA espeleologia como profiss√£o e seus benef√≠cios para a sociedade‚ÄĚ, √© fundamental nos tempos atuais para o setor, que busca definir e regulamentar a profiss√£o de Espele√≥logo no Brasil.

Mais informa√ß√Ķes ser√£o disponibilizadas no site da Sociedade Excursionista e Espeleol√≥gica.

Confira aqui

Um pouco sobre a SEE

¬†Entrada Gruta do Ant√īnio Pereira Mariana (MG), 1944.Foto: Entrada gruta do Ant√īnio Pereira (MG), 1994.

Em 1937, um grupo de alunos, da ent√£o Escola de Minas e Metalurgia de Ouro Preto, formado por Victor Dequech, Walter Von Kr√ľger, Paulo Ann√≠bal M. de Almeida Rolff, Lisanel de Melo Motta, Murilo de Andrade Abreu e Sandoval C. de Almeida, encantou-se por um ramo novo das Ci√™ncias Naturais, a Espeleologia. Inspirados pela leitura de publica√ß√Ķes estrangeiras relacionadas ao assunto, fundaram a Sociedade Excursionista e Espeleol√≥gica (SES), a atual Sociedade Excursionista e Espeleol√≥gica dos Alunos da Escola Minas de Ouro Preto (SEE).

Em 1938, em 25 de janeiro, o grupo realizou a primeira excurs√£o com visitas a v√°rias grutas no munic√≠pio de Matozinhos ‚Äď MG, com o objetivo de promover estudos cient√≠ficos daquelas cavernas, apesar das dificuldades t√©cnicas, falta de equipamento e transporte prec√°rio.

Esta excurs√£o abriu as portas da SES e, desde ent√£o, sucessivas gera√ß√Ķes de alunos da Escola de Minas e posteriormente da UFOP, seguindo o exemplo dos fundadores, se embrenham no desconhecido subterr√Ęneo, realizando pesquisas espeleol√≥gicas pioneiras no Brasil.

A liga√ß√£o hist√≥rica com a Escola de Minas conferiu um car√°ter √ļnico √† entidade, permitindo a renova√ß√£o constante do quadro de membros, apoio e suporte institucional, proporcionando √† SEE realizar atividades de pesquisas espeleol√≥gicas h√° 79 anos.

O¬†percurso da SEE abarca grande n√ļmero de eventos da hist√≥ria nacional da espeleologia, sendo ela o primeiro grupo das Am√©ricas a realizar um estudo sistem√°tico e organizado das cavernas, sempre marcando presen√ßa em muitas descobertas e mapeamento das grandes cavernas brasileiras.

A SEE participa ativamenteCr√Ęnio encontrado na gruta da pontinha, Sete Lagoas (MG), 1939. na realiza√ß√£o do Congresso Brasileiro de Espeleologia, que a cada dez anos retorna √† Ouro Preto, cidade sede da entidade. Em 1969, a SEE realizou do IV Congresso Brasileiro de Espeleologia em Ouro Preto, que culminou na cria√ß√£o da Sociedade Brasileira de Espeleologia ‚Äď SBE, tornando-a s√≥cia-fundadora. Nesse mesmo ano, a entidade publicou o primeiro n√ļmero da Revista Espeleologia, reconhecida como a primeira totalmente dedicada a esse ramo da ci√™ncia no Brasil, atualmente na sua 13¬į edi√ß√£o.

                                     

Foto: Cr√Ęnio encontrado na gruta da Pontinha, Sete Lagoas (MG),1999.

 Atualmente, a SEE é composta por uma diretoria dividida em sete cargos, da seguinte forma:

Presidente: Celso Pascoal Const√Ęncio J√ļnior

Secretário: Débora Lara Pereira

Tesoureiro: Paulo Eduardo Santos Lima

Diretor de materiais: Bruno Fernandes Aguiar

Diretor de documentação: Guido Henrique Goris Vernooy

Diretor de imprensa e divulgação: Bruno Diniz Costa

Diretor científico: Dr. Claudio Maurício Teixeira da Silva (tutor da entidade)

Trabalhos desenvolvidos atualmente

A SEE √© uma entidade de utilidade p√ļblica, sem fins lucrativos por lei municipal e, assim, todos os trabalhos apresentam fins cient√≠ficos. Os principais projetos desenvolvidos pelo grupo atualmente s√£o:

  • Curso de Introdu√ß√£o √† Espeleologia

O Curso de Introdu√ß√£o √† Espeleologia (CIE) √© organizado semestralmente pelos membros da SEE, com o intuito de iniciar o caminho para o estudo espeleol√≥gico e recrutar novos interessados nas peculiaridades do mundo subterr√Ęneo.

Com duração de 30 horas, 11 horas-aula são teóricas, com a realização de palestras no auditório do DEGEO (Departamento de Geologia da EM/UFOP). As outras 19 horas são dedicadas às aulas práticas, realizadas na região cárstica de Pains/MG.

Cada curso conta com 30 vagas abertas aos alunos de todos os cursos da universidade. O CIE tem como meta divulgar o conhecimento espeleol√≥gico, mostrando a import√Ęncia cient√≠fica, ambiental, econ√īmica e tur√≠stica do ambiente cavern√≠cola. Por meio da fotografia, topografia e cartografia, os alunos aprendem t√©cnicas fundamentais para a pr√°tica da espeleologia.

Foto: Curso de Introdução à Espeleologia 16.1 Pains/MG Foto de Pietro Castagnaro.

  • SSE Solid√°ria

Este projeto √© realizado em conjunto com escolas p√ļblicas da cidade de Ouro Preto e visa a transmitir o conhecimento espeleol√≥gico aos estudantes carentes por meio de oficinas, palestras e visitas t√©cnicas a minas do per√≠odo colonial de Ouro Preto.

SSE Solidária - visita à Mina do Du - Ouro Preto (MG)Foto: S.E.E Solidária - visita à mina do Du, Ouro Preto (MG).

  • Projeto Museu

Com o objetivo de divulgar e valorizar as cavidades naturais, o museu itinerante realiza exposi√ß√£o de banners, espeleotemas (nome gen√©rico de todas as forma√ß√Ķes rochosas que ocorrem tipicamente no interior de cavernas como resultado da sedimenta√ß√£o e cristaliza√ß√£o de minerais dissolvidos na √°gua), materiais recentes e antigos utilizados na explora√ß√£o espeleol√≥gica.

As exposi√ß√Ķes itinerantes, que tiveram in√≠cio em 2010, j√° estiveram presentes nas cidades mineiras de Ouro Preto, Mariana, Belo Horizonte e Simon√©sia, al√©m de Barreiras, na Bahia.

As exposi√ß√Ķes recebem visita√ß√£o de pessoas de v√°rias idades e graus de conhecimento. Ap√≥s resultados satisfat√≥rios incentivando a continua√ß√£o das exposi√ß√Ķes itinerantes, foi idealizado o projeto de cria√ß√£o do Museu de espeleologia permanente na cidade de Ouro Preto/MG, ainda em desenvolvimento.

Exposi√ß√£o no Museu de Ci√™ncia e T√©cnica da Escola de Minas de Ouro Preto ‚Äď MCTFoto: Exposi√ß√£o no Museu de Ci√™ncia e T√©cnica da Escola de Minas de Ouro Preto ‚Äď MCT.

  • Projeto Ibitipoca

Uma parceria com a SPEC ‚Äď Sociedade Carioca de Pesquisas Espeleol√≥gicas, visa ao mapeamento espeleol√≥gico das cavidades do Parque Estadual do Ibitipoca, localizado nas cidades de Lima Duarte e Santa Rita do Ibitipoca,¬†na Zona da Mata de Minas Gerais.

 

Como participar do SSE

Quem quiser fazer parte do grupo, basta frequentar as reuni√Ķes, que s√£o abertas para todos os alunos da Universidade Federal de Ouro Preto e para a comunidade ouro-pretana em geral.¬†

As reuni√Ķes semanais s√£o realizadas todas as ter√ßas-feiras, √†s 19h30min na Sala 34, no Museu de Ci√™ncia e T√©cnica da Escola de Minas/UFOP, no Centro Hist√≥rico.

¬†Cinco Atuais Integrantes da S.E. E (Gruta Temimina, N√ļcleo dos Caboclos, PETAR- Parque Estadual Tur√≠stico do Alto Ribeira, Apia√≠- SP 2015)Foto: Cinco atuais integrantes da S.E.E (Gruta Termimina, n√ļcleo dos caboclos, PETAR - Parque Estadual Tur√≠stico do Alto Ribeiro, Apia√≠ (SP), 2015.

 

registrado em:
Fim do conteķdo da pŠgina